Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

1.png

 

2.png

3.png

10.png

14.png

7.png

Mais no instragram da autora: sooch @vskafandre

Autoria e outros dados (tags, etc)


Na sala de espera

por Rui Brasil, em 24.01.16

awebic-jafar-1.jpg

 

Não consegue dormir. "Dói, dói-me!". O choro aflito, tentamos resolver, consolar, dar colo, apaziguar a dor. "Dói, dói-me!". Vestimo-nos num micro-segundo- onde enfiei as chaves do carro?- agasalhamo-la- não consigo apertar o cinto da cadeirinha justamente agora porquê?- meto o carro a trabalhar e seguimos em silêncio com o eco do choro dela no carro- chora ainda mais, longe do colo, apertada pelos cintos da cadeirinha. Chegamos e não há fila. Só quer o colo da mãe, a mãe procura os documentos, pede-me que a segure por instantes para aceder à mala, só quer a mãe, chora mais. A mãe segura-a, a ela e aos documentos que encontrou, sem mãos a medir e eu aqui de mãos vazias, colo vazio, sem conseguir ajudar mais, uma sensação de impotência desgraçada. Não me deixam entrar, só pode um acompanhante, pergunto se quer que entre eu- é-nos igual- quer a mãe. Está doente e só quer a mãe.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


A nossa canção

por Rui Brasil, em 11.01.16

Muitos casais têm uma canção que os une (eu e a minha mulher também temos). Eu e a minha filha também temos a nossa canção. 

 

Ei-la:

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

an.JPG

 Ela sobe para a arca de verga cor-de-rosa- minha pequena Jane-  nota-se que já gosta de padrões folclóricos- estou feito ao bife- e olha pela janela. 

Tenta equilibrar-se naqueles centímetros pequeninos, estica o pescoço e tenta alcançar a vista da janela. A cada carro preto que passa grita "Paaaaiiii!"- conta-me a mãe. Ela espera-me, assim, aos finais das tardes que teimam em esticar-se, entre reuniões, conselhos de docentes, atendimentos pós-laborais e afazeres vários, nenhuns tão importantes como ser o motorista do carro preto que a minha filha espera à janela. 

A mãe tenta dissuadi-la, aponta-lhe brincadeiras, jogos, bonecos, tarefas as duas mas os fins de tarde mais compridos têm a forma do pai, que se atrasa, que teima em chegar, que o relógio faz rasteiras e ela não arreda pé do alto da arca de verga cor-de-rosa, esperando-me a mim- meu amor pequenino- como que a retribuir eu ter esperado por um amor assim a vida inteira. 
A mãe manda-me esta fotografia e eu peço licença, apresso o final da reunião, fecho a agenda, o caderno, pouso a caneta e corro para o carro preto que ela espera, e que só espera porque sou eu que venho cá dentro.
E quando ela me espera assim, eu vou, e tudo o resto pode esperar. 
Cheguei a casa. 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Pesquisar

  Pesquisar no Blog