Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Em nome do Pai

Paternidade na ótica do utilizador.

Em nome do Pai

Paternidade na ótica do utilizador.

Mãe da filha#3

12509842_10208391243841368_2878387904916982258_n.j

 "As crianças não são filhas das profissões dos pais

 
Talvez a par dos psicólogos só os educadores de infância sofram na pele os mesmos comentários parvos e estereotipados. Nesta família, para piorar o cenário, ambos os pais são psicólogos, o que faz com que as expectativas relativamente à criancinha sejam de que ela seja um tamagotchi amestrado, cronometrado, pré-programado e exemplarmente bem comportado. Não é. Graças a Deus!
"Ah, em casa de ferreiro, espeto de pau- afinal a miúda é com'os outros!" ou "Com os pais psicólogos e faz birras?" são pérolas que ouvimos, de gente que as entoa com um certo gozo de "é bem-feita porque o cão tem a mania que é espertalhão". A nossa reacção? Como é que hei-de dizer isto tecnicamente em bom psicologizês? Borrifamo-nos. E ainda gozamos com isso.
 
Liliana (minha mulher e mãe da minha filha)- Quadripolaridades

AGENDA | Concertos de palmo e meio em Lisboa

psp.jpg

 

Sábado, dia 23 de janeiro, pelas 11h00, a PSP vai realizar na Direção Nacional da PSP, Largo da Penha de França, nº 1 - Lisboa , mais um Concerto de Palmo e Meio, que tantos bons momentos tem proporcionado a miúdos e graúdos.s
Venham passar uma manhã com a PSP, num espaço nobre da cidade de Lisboa e com estacionamento. A entrada é gratuita.

Reserve o seu lugar através de: protocolo@psp.pt

 

Conciliação paternidade e carreira:o ponto de vista do pai

pai.jpg

 

Este tema é usualmente abordado do ponto de vista feminino (e com muita pertinência!). Afinal, como gerem as mães vida profissional e gravidez, ausência para consultas de gravidez e ecografias, licenças de maternidade, horários de amamentação. 

 

Do ponto de vista de quem é pai posso assegurar que também não é tarefa fácil, ou seja, está facilitado na questão biológica (não engravidamos nem amamentamos, é certo) mas o mesmo não se aplica para quem quer usufruir em pleno dos direitos e deveres da paternidade. 

 

A quantos dos meus amigos, acabados de serem pais, lhes foi proposto (muitas vezes até por chefias femininas) a dispensa da licença de paternidade com o argumento de que o bebé recém-nascido precisa mesmo é da mãe?

 

Mãe da filha #2

12509842_10208391243841368_2878387904916982258_n.j

 "Desabafava comigo, um destes dias, uma amiga a propósito do temperamento das suas duas filhas, com idades muito próximas mas com comportamentos quase opostos. Dizia-me ela que a mais velha era muito responsável, fácil de lidar, resiliente e esforçada. Para que ela ultrapassasse os desafios bastava motivá-la, muitas vezes usando a estratégia de a espicaçar em jeito de jogo "Não és capaz de...". 

A mais nova, mais laissez faire e descontraída- dizia ela- mais preguiçosa e teimosa: Sempre que a desafiava para alguma coisa o resultado era pior, fazia finca pé, fazia o contrário do que se lhe pedia, "gozava o prato". Uma era boazinha e dócil, a outra birrenta e difícil. 
A questão da minha amiga era uma: como é que dando-se a mesma educação a duas crianças com idades tão próximas, as mesmas poderiam ser tão diferentes?
 
Liliana, minha mulher e mãe da minha filha- Quadripolaridades

Como reagem as crianças à morte de alguém importante?

xhild.jpg

 "Uma criança pode encontrar inúmeros exemplos de morte, por exemplo, numa folha caída ou num animal morto, e observar que este não se move nem reage a qualquer estímulo. Isso suscita-lhe curiosidade e ela procura rapidamente uma explicação junto de um adulto ou de outra criança. A partir dessas explicações ou crenças, ela desenvolve as suas próprias ideias. Tanto o que lhe é dito, como o que não se diz (que passa nalguns casos pelo silêncio ou pela fuga à questão), tem uma grande repercussão no imaginário infantil e no seu desenvolvimento.

 

Em geral, consideram-se quatro fases, que se sucedem no tempo, do nascimento à adolescência, mas nem todas as crianças passam por estas etapas. 
 
Ler mais )
 

Aniversário de namoro

As nossas viagens de carro nunca são em silêncio. No outro dia, de regresso a casa com a Ana já adormecida na cadeirinha do banco traseiro falávamos de música e das músicas que os nossos pais ouviam quando éramos pequenos, geração de 80, pais com raízes na Margem Sul e nas Áfricas, mães açoriana e lisboeta. Rimo-nos ao relembrar "A Cinderela", os "Meninos de Huambo" e o "Amar como Jesus amou", do qual a nossa filha é fervorosa fã. Depressa passámos para as músicas braseileiras, a Simone e a Gal Costa, a Elis Regina e os Roupa Nova e chegámos a casa, estacionámos e deixámo-nos ficar, de smartphone em punho ligado ao youtube a cantarmos baixinho, entre o divertido e o "shiuuu, não acordes a miúda!" numa cumplicidade musical e de vida, que é de vida que escrevo neste post. 

E à meia-noite, comemorando 17 anos desde o nosso primeiro beijo, eu recém-chegado dos Açores para estudar, tu a miúda mais segura e confiante que já conheci e o céu de Lisboa como testemunha. E ligámos o youtube na música cafona, sintonizámo-nos  aqui: 

  

                                 

 

"Se eu não te amasse tanto assim  talvez perdesse os sonhos dentro de mim e vivesse na escuridão"

"Não é uma caixa"

Uma caixa não é apenas uma caixa. Pode ser uma infinitude de coisas, basta que a nossa imaginação o permita. Uma caixa pode ser um foguetão, um barco, o que quisermos. Se a caixa do coelhinho pode ser tudo o que ele entender, então cada criança tem esse mesmo poder face a qualquer objecto que tenha à frente: uma caixa, um saco, uma vassoura, um chapéu. Este é um livro perfeito e o preferido do pai cá de casa. 


Bestseller do New York Times e Publishers Weekly, este livro recebeu inúmeros prémios tais como Melhor livro ilustrado pelo New York Times, livro de honra Theodor Seuss Geisel e Notable Children’s Book da American Library Association

ba.png

 

 

Título:  "Não é uma caixa"

Autoria:  Antoinette Portis

Tipo de leitura: leitura em voz alta

Idade recomendada:  entre os 4 e os 8 anos

Sugestão de actividade: Guardar uma caixa de electrodoméstico, por exemplo, e convidar a criança a usála com diferentes funções e para diversos fins

Booktrailer: aqui

Livro recomendado pelo Plano Nacional de Leitura, Educação Pré-Escolar