Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Em nome do Pai

Paternidade na ótica do utilizador.

Em nome do Pai

Paternidade na ótica do utilizador.

"Não ser pai todos os dias cansa"

custodia-compartida.png

 

Acredito, veementemente, que nunca houve tão bons pais, interessados, conscientes e participantes ativos na educação dos filhos como hoje. Somos, na minha perspectiva, a primeira fornada de pais realmente excepcionais, que não querem ajudar a mãe mas formar equipa com ela, que não querem empurrar com a barriga as decisões do dia-a-dia mas pô-las em cima da mesa e discuti-las em casal e que reclama um papel ativo, presente e ao mesmo nível da mãe.

 

Esses pequenos sinais vêem-se nas reuniões das escolas (no meu tempo era uma sala cheia de mães,na última reunião da turma da minha filha a que compareci era uma sala cheia de casais), nas salas de espera das urgências dos hospitais (da última vez que lá fui com a Ana e em que cheguei ao hospital primeiro que a mãe e entrei para fazer a triagem e esperar pela chamada havia mais pais homens com os filhos do que mães. Foi tão surpreendente para mim que assim que a minha mulher chegou, para ir alternando comigo os colos da miúda, comentei com ela e concluímos que há, de facto, uma mudança de paradigma).

 

Cá em casa não há, até à data, assuntos de pai ou de mãe. Todos os assuntos da vida da Ana nos dizem respeito a ambos e embora um de nós tenha que ser, formalmente, o encarregado de educação, toda a informação é partilhada, discutida e decidida a dois. 

 

No entanto, notamos que a sociedade ainda desconfia deste modelo que emerge de forma natural. Se vou buscar a Ana à escola , a auxiliar manda sempre recados sobre a Ana para "eu não me esquecer de dizer à mãe", as pessoas espantam-se muito quando estou com a minha mulher num sítio público e a Ana pede para ir ao quarto de banho e sou eu que avanço para a acompanhar e não a mãe e, no passado, tive imensos problemas com uma ex entidade patronal porque a minha produtividade baixou após o nascimento da minha filha porque eu queria acompanhá-la a todas as consultas e a minha chefia (mulher) não percebia porque não ia simplesmente a mãe sozinha, até porque estava de licença de maternidade. 

Eu sempre quis ser pai por inteiro, não que a mãe fosse a procuradora da minha parentalidade e que a nossa filha fosse, na prática e não apenas conceptualmente, um projecto a dois e dos dois. 

 

Temos um amigo que se está a separar. Daí não nasce nenhuma pérola, já dizia o poeta, não será o primeiro nem último. Enquanto casal tinham uma dinâmica muito parecida com a nossa, em particular no que diz respeito à parentalidade. Quando tudo se configurava para uma óbvia custódia partilhada com residência alternada, a mãe deu o dito por não dito e sugeriu que o pai tivesse direito a um jantar por semana e um fim-de-semana de quinze em quinze dias. 

 

Quando, como amigos, a questionámos do porquê da objeção percebemos que, como na maioria dos casos, a mãe estava a utilizar o filho como arma de arremesso para castigar o pai, de quem tinha partido o pedido de separação. Mais uma vez conjugalidade e parentalidade a serem confundidas e, pior, no seio de um casal constituído por pessoas inteligentes e com bom senso. 

 

O pai, obviamente, não aceitou. Dizia que não queria passar de ser o pai que dá beijinhos todas as noites antes de dormir, o pai que dá banhos desde que a criança nasceu, que lhe conhece os gostos e interesses, que sabe o nome de todos os dinossauros, que entra na pscina para o acompanhar desde as suas primeiras aulas de natação,  para um pai em "part-time".

Foi exactamente esta a expressão que ele usou: "não quero ser pai em part-time".

Não quer ser um pai que não consegue acompanhar e ajudar nas matérias da escola, que só de quinze em quinze dias sabe os novos gostos adquiridos pelo filho, que não sabe como correram os dias, que tem que condensar em quatro dias por mês tudo o que quer viver com o filho durante a sua infância e adolescência. 

 

Na primeira audiência, o tribunal atribuiu à mulher o papel de criar o filho, conferindo aos nosso amigo um regime de visitas resumido a fins de semana alternados e férias.  Ele recorreu, Não lhe fazia sentido que a mãe criasse o filho que era dele de igual forma e a ele apenas lhe coubesse a tarefa de o sustentar e ter uma esmola de tempo quinzenal. Recorreu.

 

A realidade é que o número de crianças enquadradas num regime custódia partilhada alternadamente com a mãe e com o pai depois da separação do casal está a crescer, mas ainda é residual. Apesar de todas as mudanças de paradigmas, nestes casos, a prática do Direito de Família continua a decidir com base nos estereótipos dos papéis de género baseados na crença de que cabe à mãe cuidar/amar e ao pai sustentar. A situação de profunda desigualdade e discriminação começa a ser reconhecida e penso que, ainda assim, estão a ser feitos esforços no sentido de promover um maior equilíbrio na regulação do poder paternal.

 

A minha opinião (que tem a validade que tem ) é que, à partida e numa situação "normal", o modelo que defende e pratica uma maior partilha das responsabilidades parentais e de participação igualitária na vida dos filhos,  é o da residência alternada. Claro que cada caso é um caso e que há circunstâncias que não o permitem, seja porque um dos pais decide ir viver para muito longe do outro ou situações em que não se consegue salvaguardar, de todo, a estabilidade da criança. 

 

No caso dos nossos amigos, estavam criadas pelo pai todas as condições para que esta proposta de custódia partilhada com residência alternada fosse concedida (ele comprou casa no mesmo bairro da ex-mulher para garantir o menor constrangimento para o filho, para não lhe afectar horários, para o conseguir continuar a levar à escola, enfim, tudo) mas, mesmo em recurso, o escrutínio foi tão grande e a resistência passiva de tal forma que voltou a perder. 

 

Numa terceira tentativa fomos testemunhas. Uma chatice termos que tomar um partido quando somos amigos de ambos os membros do casal e a sua conjugalidade e razões de separação nos são completamente indiferentes mas, explicámos à mãe, que estávamos ali para dar a nossa opinião sobre o que defendíamos que seria a situação menos penosa possível (um divórcio deixa sempre cicatrizes profundas numa criança) e mais equilibrada para o filho.

 

A mãe sentia que o ex-marido lhe estava a tirar tudo: o casamento e agora o filho dela. Rejeição dupla, perda dupla,luto duplo de situações de vida idealizados e não concretizados. Para além de verbalizar que, por ser a mãe, teria mais competências parentais que o ex-marido. Só que os filhos não são das mães, nem dos pais, são de ambos e um projecto a dois que deve, até ao fim, permanecer como um projecto a dois,mesmo que as famílias se recomponham, que haja novas configurações familiares; mas a verdade é imutável: aquela criança nunca se poderá divorciar de nenhum dos progenitores, será filha dos dois para sempre. 

 

É importante salientar que, a investigação nesta área demonstra que os pais são tão competentes para cuidar dos seus filhos quanto as mães (Lamb, 1997, 2002; Parke, 1996).

 

Finalmente, o nosso amigo conseguiu não ser pai todos os dias mas um pai a tempo inteiro semana sim, semana não. Consegue manter rituais, as histórias à noite, e as waffles feitas na máquina que recebeu há três anos no dia do pai todas as manhãs de domingo. Continuar a sentir o calor do corpo do filho, encostado ao seu no sofá enquanto ambos vêem desehos animados. Manter todas as rotinas que juntos criaram:os banhos partilhados no chuveiro a cantar a decíbeis inaudíveis, os códigos inventados e perpetuados pelos dois.

Sem pressas nem em contra relógio porque um fim-de-semana só tem 48 horas "e quero que ele se divirta comigoe agradá-lo para compensar este divórcio e a minha culpa". O nosso amigo não queria fins-de-semana de festas, dias de excepção, parques e actividades de compensação, queria a rotina, o ram-ram dos dias iguais, a intimidade que só se consegue com uma convivência que não pode ser de excepção. 

 

Para qualquer pai que ame os seus filhos viver longe dos mesmos, mesmo que por inerência de escolhas de conjugalidade, é penoso. Nestes processos ninguém sai a ganhar; a criança perde a possibilidade de estar e co-habitar com ambos os pais a tempo inteiro e cada pai tem que ceder algum deste full time ao outro. No fim de contas, o que importa é que a criança sinta que mãe e pai o amam e querem cuidar dele de igual forma e - idealmente- tenham uma abordagem consonante.

 

Que continue a haver piadas privadas e cúmplices com o pai e mimos e intimidade partilhadas com a mãe e vice-versa. Que possa ter acesso aos pais, a qualquer um, sempre que necessite daquele colo específico, sem que essa necessidade tenha que ser regida por uma sentença assinada por um juiz; que possa apetecer-lhe jantar com um na semana que até "é do outro", sem chantagens emocionais ou pressões e, especialmente, sem ninguém ficar melindrado. Que possa continuar a ser filho de ambos todos os dias. 

 

No outro dia, o nosso amigo veio cá a casa agradecer-nos a comparência na audiência. Sentou-se no sofá da sala e olhou, por alto, para os nossos livros na estante. Bateu de frente com o "Viver todos os dias cansa"  do Miguel Esteves Cardoso. E suspirou:

 

"Basicamente, era o que vos queria agradecer. Terem-me ajudado a explicar à magistrada que não ser pai todos os dias cansa. E dói."

 

Há que pensar nisto, numa das (poucas) áreas em que a discriminação afecta maioritariamente os homens. E se, nos anos 80, os homens  até agradeciam não ter que levar com os putos todos os dias semana sim, semana não, nós não somos essa geração. Nóss somos a geração que quer ser pai todos os dias.

Mesmo que canse. 

 

Mudemos o paradigma! 

Dos o ao 1: Os 6 maiores desafio nesta coisa da maternidade (por grau crescente de dificuldade)

bebe.jpg

1- Pô-la a arrotar- Acho que este é a primeira grande "praxe" da mãe-natureza. Parece uma coisa simples quando vemos nos outros: arremessa-se o bebé até ao ombro, põe-se a criança à varanda e pumba! Comigo era um autêntico tormento: dava-lhe bacalhaus nas costas; sentada, punha-a em cima dos joelhos de barriga para baixo; pousava-a nos antebraços e rodava-os para um lado e para outro, enfim... Pensei chegar a fazer a dança do arroto- um cruzamento de Macarena com dança da chuva dos índios da Amazónia- para verem o grau de dificuldade que aquilo me assemelhava. Boas notícias: a partir da altura em que se introduzem os sólidos e, de forma progressiva, a necessidade do arroto vai-se dissipando. 

 

2- Vestir-lhe as perneiras de umas calças- Eu entendo que é uma necessidade básica a de vestir a miúda e, nomeadamente, de lhe vestir calças. Ela acha que é um jogo e fica tão escorregadia como um polvo. Eu enfio a perneira numa perninha, ela tira a da outra e assim, sucessivamente, enquanto esbraceja para tornar a coisa mais atordoante. Solução: agarrar-lhe nas duas pernas, como se faz aos coelhos na hora h, e enfi´-las nas calças duma só vez. Um truque é metê-la de pé, entalar-lhe o tronco no meu sovaco e enfiar as duas pernas em simultâneo. Uma autêntica prova de coordenação e ginástica acrobática. Para mim. 

 

3- Cortar-lhe as unhas- A única esperança que esta actividade me trás é a de que ela se torne uma exímia pianista quando crescer tal a destreza com que dedilha. É um tal esticar e encolher de dedos fabuloso! Pena que seja descoordenado com a unha que se quer cortar: se eu quero a do mindinho, ela estica a do anelar, se a do indicador está gigante, ela consegue, literalmente, encaracolar o respectivo dedo para me impedir de aproximar a tesoura. Um tormento! 

 

4- Assoá-la/Pôr-lhe soro no nariz- Parece que está a ter um ataque epiléptico: começa a tremer, a abanar a cabeça de um lado para o outro a uma velocidade estonteante, a abrir a boca, a fechar a boca, a piscar os olhos, louca, louca, louca. E chora muuuuito, tanto, que eu temo que um dia destes uma equipa da Comissão de Crianças e Jovens em risco me bata à porta acompanhada por um agente da GNR e me apanhem em flagrante abuso infantil... de lenço e toalhita na mão!

 

5- Dar-lhe alimentos sólidos de forma minimamente limpa- É um circo misturado com feira e luta na lama da tabela alimentar. Primeiro tinha uns pequenos babetes lindos, lindos, depois uns maiores com peitilho enorme, depois tentámos com mangas, agora assumimos o bibe duma vez por todas. A próxima tentativa será uma tenda-iglo (para quem lhe está a dar a comida) e um abajour com diâmetro suficiente para a cabeça estar de fora e a comida escorregar. No chão? Um oleado, pois está claro!

 

6- Usar o Narhinel- Aqui é o êxtase, nível 10 de dificuldade. Parece que foi possuída, parece uma mini-exorcista! Há de tudo: choro, berros, gritos, beicinho, saliva a rodos porque se cospe toda com o stress, ranhoca a ser puxada para dentro como se estivesse a chupar lapas em sentido contrário ao que o Narihnel tenta fazer. Esperneia, abana com a cabeça, arranha-nos, pontapea-nos, abocanha-nos, no fundo, é o culminar de todos os pontos anteriores, com todas as manifestações acumuladas nuns minutos que em nada se comparam aos de um sismo com uma intensidade máxima na escala de Richter. Um sismo é brincadeira de criança ao pé disto. Literalmente. "

 

 

Liliana (minha mulher)

Dicas d' Os PAIS: usar o MB Way para desenrascar um filho

_Esqueceu-se de dar dinheiro ao seu filho (11 anos

"Acabei de utilizar o MB Way duma forma que me senti impelido a partilhar com todos os "Pais", pois deu muito jeito!


Como sabem (ou ficam a saber) o MB way é das melhores coisas inventada pela SIBS desde os nossos tão à frente ATMs. É possivel transferir dinheiro rápido (na hora) e simplesmente entre quem tenha ativado esta app no seu cartao de debito (principalmente agora que todos bancos cobram tranferencias).


Mas o que quero partilhar é a possibilidade de levantar dinheiro num multibanco sem cartão.


Esqueci-me de dar dinheiro ao meu miudo (11 anos) e ele precisava para almoçar.. fui à APP no smartphone, carreguei em levantar dinheiro, a app forneceu-me um codigo (9 numeros) o qual eu enviei por SMS a ele.

 

Ele só teve de ir ao MB da escola, carregar na tecla verde, introduzir o código (com 30 min de prazo) e .. voilá.. já tinha a nota e não precisei de lá ir.


Imagino que isto me vá da muito jeito no futuro, pelo que, fica a dica!!"

 

Nuno Portela- distinto membro do grupo "Pais"

We agree to disagree# 4 Baptizar ou não a criança?

155032_207428836063357_1688026999_n.jpg

A minha família é católica praticante e fui educado de acordo com os dogmas, valores e ritos do Catolicismo. Sou açoriano e na minha ilha- como, aliás, em todas as dos Açores- há uma forte religiosidade vigente.

Fui baptizado com dois ou três meses (tal como o meu irmão), frequentámos catequese, fiz comunhão solene, crisma, fui acólito, cantei no coro da minha igreja vários anos, sou escuteiro católico, casei pela igreja católica, um dos meus melhores amigos de infância é hoje pároco na igreja matriz da Horta e, mesmo após a minha mudança definitiva para o continente, continuei a frequentar a igreja e todos os seus rituais. Mais importante de tudo, sou um homem de fé e acredito em Deus. 
Quando engravidámos a questão veio à tona: "vamos baptizar a miúda?" e eu fiquei tão chocado com a questão- para mim era uma certeza absoluta- que este passou a ser um assunto daqueles de grande reflexão familiar. Como poderíamos sequer equacionar não trazer a Ana para esta festa de fé e comunhão? Como poderia não a educar com base nos meus valores mais profundos e absolutos que fui beber à igreja católica? E- já no limite- qual o prejuízo em introduzir a Ana no Catolicismo, salvaguardando que,quando tiver livre arbítrio e maturidade,pode reafirmar a escolha feita pelos pais ou seguir outro caminho de fé como qual de identifique?
O argumento de "ela escolhe quando for grande" para mim não era válido quando nós escolhemos que ela se tornasse carnívora e não vegetariana, que usasse fraldas descartáveis em vez de reutilizáveis, que frequentasse uma determinada escola com uma corrente de estudo e não outra qualquer e, todos os dias, fazemos escolhas que, de uma forma ou outra, afectarão a sua personalidade, gostos ou interesses. Para mim o baptismo era uma não questão e um caminho óbvio. O meu dia-a-dia segue rituais católicos (oro todos os dias,por exemplo; na casa dos meus pais oramos antes decada refeição, vou todos os domingos à celebração da eucaristia), logo, faz-me sentido que a Ana me acompanhe neste caminho, que é para mim não só uma herança dos meus pais masuma escolha reafirmada. 
 

Na minha casa fomos educados pela religião católica mas com muita flexibilidade. Sou baptizada, fiz a primeira comunhão, frequentei catequese e desisti dela, não cheguei a fazer a comunhão solene nem o crisma mas, quando chegou a altura, e por insistência do meu marido, o casamento católico fez parte do nosso percurso. Pelo caminho eu deixei de frequentar a igreja e todos os rituais católicos inerentes e adoptei aquele epílogo cobarde e confortável do "católica não praticante". O meu marido fica furioso quando eu digo isso porque acredita que o catolicismo é uma essência e não uma prática, corrigindo-me sempre que eu sou católica praticante (pratico os valores do bem inerentes à religião) só não cumpro os rituais. 

A religião nunca foi tema de conversa entre nós. Ele gosta de ir à missa como forma de desentorpecer a mente. Eu tenho os meus próprios escapes. Ao domingo eu gosto de dormir até mais tarde, ele gosta de celebrar Deus com o ritual da missa. Com fés, crenças, necessidades individuais do outro, nenhum de nós interfere. Acreditamos no mesmo Deus mas temos comportamentos distintos na nossa relação com ele. 

Obviamente que a educação religiosa da filha que temos em comum foi alvo de discussão.

 

AGENDA | Passar o Dia da Criança no Porto

porto.jpg

Este ano, a Festa da Criança parte à aventura para o Parque de São Roque, no Porto, com a duração de três dias repletos de brincadeira e muita animação!

Além das muitas surpresas que o próprio parque proporciona – como um mágico labirinto onde cabe às crianças descobrirem a saída – haverá também jogos tradicionais, oficinas, pista de BTT, passeios de caiaque no lago, batismos de moto, espetáculos e muitas outras brincadeiras.

 

Pessoal da Invocta: ao caminho!

 

 

(Sugestão do Nuno Portela- ilustríssimo membro do grupo "Pais" deste blogue)